Copyright 2007-2012
Built with Indexhibit

Nasci em 1979, em Lisboa. Licenciei-me em Pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Fiz um Mestrado em Chelsea College of Arts em Londres. Vivo e trabalho em Lisboa.

Vivo e trabalho. Vida e trabalho.
Interessa-me, desde cedo, a condição “natural” de trabalhar para (sobre)viver.

Como o trabalho aparece na nossa vida, completando-a e limitando-a/esvaziando-a.

Olho para o corpo atarefado ou por atarefar; experiencio e testo esse corpo, falo sobre o meu trabalhar. É por isso um trabalho autobiográfico embora distante de gestos autorais, intenções estéticas ou éticas.

Uso o corpo, video, fotografia, objectos, documentos (cartas de recomendação, cartões de visita), suportes (crachás, identificadores). Por vezes, estes objectos, coisas ou situações, são descontextualizados e incorporados num novo contexto.

O resultado não é espectacular, impactante ou surpreendente; também não é um trejeito. Tenta ser directo e sem artifícios; tenta esvaziar-se de técnicas; há uma economia de meios e discurso; por vezes primário; por vezes fora de pé; presta-se a um estado vulnerável; sobre (em cima de; e à cerca de) um não-lugar.

Estas peças existem em espaços expositivos e fora deles.

.

I was born in 1979, in Lisbon. I graduated in Painting at the Faculty of Fine Arts of Lisbon. I did a Master's at Chelsea College of Arts in London. I live and work in Lisbon.

I live and work. Life and work.
From an early age I am interested in the “natural” condition of working to survive.

How work appears in our life, completing it and limiting it / emptying it.

I look at busy bodies or a bodies to be; I experience and test my body, I talk about my way of working. To that extent, it is an autobiographical work although distant from authorial gestures, aesthetic or ethical intentions.

I use the body, video, photography, objects, documents (letters of recommendation, business cards), supports (badges, identifiers). Sometimes these objects, things or situations are decontextualised and incorporated into a new context.

The result is not spectacular, striking or surprising; it is not a snoot either. Try to be direct and without artifice; try to avoid technics; there is an economy of means and speech; sometimes out of steps; it lends itself to a vulnerable state; about (over; and about) a non-place.

This pieces exist in exhibition spaces but also outside them.

""